Cuide bem do seu animal de estimação

GUIA DE PRIMEIROS SOCORROS

para cães e gatos

O intuito deste guia é orientar o proprietário como agir em situações em que o socorro imediato ao animal se faz necessário. E disso, muitas vezes, irá depender a vida do animal até que o socorro veterinário seja possível. Aprenda como agir em casos como atropelamentos, convulsões, parada cardíaca, etc..
Medidas gerais

1o.) Analisar se o caso é de emergência ou urgência.
Emergência: requer medidas imediatas das quais a vida do animal irá depender . Exemplo - hemorragias, parada cardíaca e/ou respiratória, atropelamentos, envenenamentos, choques elétricos, afogamento, inalação de fumaça nos incêndios,etc..

Urgência: são casos de menor gravidade, mas que devem ser socorridos a tempo para que o animal não tenha complicações mais graves. Exemplo: vômitos ou diarréias intensos, piometra (infecção uterina nas cadelas), ausência de urina por mais de 24hs, convulsões e outros.

2o.) seja qual for o caso, procurar manter a calma. Em desespero, o proprietário pode cometer erros ou não conseguir colocar em prática uma medida simples, mas importante.

3o.) sempre analisar se o animal entrou em estado de CHOQUE. Este estado significa um deficiente suprimento de sangue para os orgãos vitais e pode ser fatal.
Os sintomas do estado de choque são:
- temperatura do corpo baixa, principalmente nas extremidades como patas e orelhas
- batimentos cardíacos acelerados
- respiração acelerada
- pode ou não haver perda da consciência
- gengivas muito pálidas
O animal pode entrar em choque em casos de hemorragias graves, atropelamentos, envenenamentos, choques elétricos intensos, desidratação grave, queimaduras graves e outras situações de emergência.
O que fazer:
- manter o animal deitado de lado
- manter a cabeça e região do tronco mais baixos do que a parte traseira do corpo. Isso garantirá que o sangue chegue ao cérebro e coração.
- aquecer o animal : enrole-o num cobertor e coloque uma bolsa de água quente ou garrafa com água quente próximo ao animal, se for possível.
- coloque a língua do animal para fora de um dos lados da boca, para garantir que a respiração não seja obstruída.
- estanque qualquer hemorragia ( ver conduta em casos de hemorragia )

4o.) transportar ou movimentar o animal delicadamente, para evitar traumatismos maiores e evitar que ele sinta dores. Se possível, improvise uma maca.

5o.) procurar auxílio veterinário o mais rápido possível. Para isso, tenha sempre à mão o telefone e endereço do hospital veterinário com plantão 24hs mais próximo de sua localidade ou de uma clínica veterinária bem equipada para atender a emergências.
Emergências

Parada cardíaca e/ou pulmonar: podem ocorrer isoladas ou conjuntamente.
- quando ocorre: em casos de animais que receberam um forte choque ao morder um fio elétrico, atropelamentos, quedas ou traumatismos graves, animais cardíacos, afogamentos, etc...
- sinais: colocando a mão sobre o lado esquerdo do peito do animal, não há sinais de batimentos cardíacos e/ou observando o tórax do animal, não há movimentos respiratórios.
- o que fazer: deve-se proceder a massagem cardíaca e respiração artificial dentro de , no máximo, 5 minutos. Deitar o animal sobre o lado direito.

Respiração artificial: com a sua mão, feche a boca do animal segurando firmemente o focinho. Eleve a cabeça do animal e encoste sua boca no focinho dele (você pode usar um lenço fino para evitar o contato direto). Sopre para dentro das narinas até sentir que o peito do animal se eleva. Deite a cabeça do animal e pressione o peito dele delicadamente para que o ar saia. Em 1 minuto, repita o procedimento 8 a 10 vezes. Verifique se o animal volta a respirar. Continue a respiração artificial, caso ele ainda não esteja respirando. Alterne o procedimento com outra pessoa quando você se cansar.



Massagem cardíaca: o cão deve estar deitado sobre o lado direito. Coloque a palma da sua mão sobre o coração do animal (veja a ilustração). Faça uma pressão firme e rápida sobre a região e solte. Você deve pressionar rapidamente e soltar uma vez por segundo. No caso de cães muito pequenos ou gatos, usar as pontas dos dedos para pressionar o coração. Massagear por um minuto e observar se os batimentos cardíacos voltam.



OBS: no caso de você ter que realizar conjuntamente a massagem cardíaca e respiração artificial, faça uma sequência de 5 ou 6 pressões sobre o coração, intercaladas por uma respiração.
Continue realizando esse procedimento a caminho do veterinário caso o animal ainda não voltou a ter sinais respiratórios ou cardíacos. Se você não tiver acesso rápido a um veterinário e já realizou a ressuscitação por mais de 30 minutos, sem sucesso, dificilmente o animal sobreviverá.

Hemorragias

Hemorragia é toda a perda de sangue que o organismo possa sofrer seja ela rápida (aguda) ou de forma lenta e gradativa (crônica). Neste guia iremos explicar como estancar uma hemorragia em casos de acidentes quando a perda sanguínea muito rápida pode ser fatal. Uma perda de grande volume de sangue em pouco tempo irá provocar uma parada cardíca, pois o coração não terá líquido suficiente dentro dos grandes vasos sanguíneos para bombear.
Hemorragias externas: fáceis de detectar pois você visualiza e perda de sangue. Normalmente, ela é provocada por um corte, perfuração ou brigas entre cães.
- superficiais: atinge só a pele. Os pequenos vasos que irrigam a pele são rompidos e a perda de sangue é considerável, mas raramente fatal.
o que fazer:
Aplique um pano limpo ou compressas de gase sobre o corte e pressione por alguns minutos. Mantenha a pressão até o sangramento parar. O tempo para que isso ocorra é variável e está relacionado com a região do corte e a extensão da lesão. Orelhas e patas sangram bastante. Encaminhe o animal para o veterinário para a desinfecção e sutura do corte. Se isso não for possível imediatamente, após o sangramento diminuir, limpe o local com água oxigenada. Curativos com gase e esparadrapo são difíceis de se manter pois o animal costuma retirá-los imediatamente. Desinfete e mantenha o local protegido por uma gase ou pano para impedir o acesso de moscas na lesão (podem causar miíase ou bicheira).
- vasos sanguíneos: se um vaso sanguíneo for atingido (veia ou artéria), a hemorragia pode ser grave e deve ser estancada imediatamente. Os vasos que podem ser atingidos mais facilmente localizam-se nas patas ,cauda ,orelhas e pescoço.
o que fazer:
A mesma técnica deve ser empregada: aplica-se um pano limpo sobre a lesão pressionando firmemente. No caso de vasos maiores, o sangue não irá parar facilmemte. Mantenha a pressão sobre a região até chegar ao veterinário. No caso de patas ou cauda você pode aplicar um torniquete (foto), ou seja, com um barbante, cordão ou até o cadarço de sapato, você amarra o membro um pouco antes da região do corte. O torniquete estancará a hemorragia imediatamente, mas você não deve mantê-lo por mais de 15 minutos ou apertá-lo muito sob o risco de gangrenar o membro por falta de suprimento de sangue. Se usar o torniquete, afrouxe-o a cada 15 minutos e depois volte a apertar.



- Hemorragia interna: esse tipo de hemorragia é difícil de detectar pois você não a visualiza. Após uma queda ou um acidente , o animal pode perder sangue por rompimento de um orgão ou um vaso interno.
o que fazer:
Se o animal estiver com uma hemorragia interna , ele perderá temperatura rapidamente e suas mucosas (gengivas e conjuntivas) ficarão muito pálidas. O animal pode perder a consciência e entrar em choque. Como não temos como diagnosticar a hemorragia interna, em casos de acidentes ou quedas, se houver perda de temperatura, palidez e perda de consciência, tratar o animal como no caso de choque e encaminhá-lo ao veterinário imediatamente.
Fonte: http://paginas.terra.com.br/educacao/apaa/GUIA%20PRIMEIROS%20SOCORROS.htm