Filhotes de foca: Esporte ou Massacre?

quero viverClique na imagem e veja a apresentação.

O massacre de 350 000 filhotes de foca
no Canadá e na noruega é um exemplo de como
o interesse comercial pode levar à
exploração irracional da natureza

Clique aqui para assinar o abaixo assinado contra essa matança absurda e desumana!!




Caçador usa porrete para abater filhote de foca:100 reais por cada animal morto



Com um porrete na mão, o caçador se aproxima do filhote de foca. O animal de olhos grandes e negros se assusta com a presença humana, mas não tem como fugir, pois se movimenta com dificuldade em terra e ainda não sabe nadar. Uma batida forte, bem atrás da cabeça, nem sempre é suficiente para matar o filhote. O caçador, porém, não se preocupa em abreviar o sofrimento da presa. Enquanto a foca ainda se debate, sua pele é retirada com a ajuda de um facão. Em apenas dois dias da semana passada, essas cenas se repetiram a um ritmo alucinante numa vasta área gelada da costa leste do Canadá. No total, 247.000 bebês focas, ou noventa por minuto, foram abatidos, no maior massacre desse tipo de mamífero marinho desde os anos 50. Um mês antes, outros 100.000 filhotes haviam sido mortos na província de Quebec. As focas abatidas tinham entre doze dias e três meses de idade. Foi morto um em cada três bebês nascidos neste ano.


A matança é um exemplo de como o homem pode explorar a natureza de forma irracional. O governo canadense alega razões econômicas e ecológicas para autorizar o massacre, que é disfarçado como modalidade esportiva. O argumento é que a superpopulação de focas no Atlântico Norte, estimada em 5,2 milhões, está reduzindo o estoque de bacalhau, peixe que tem na foca seu grande predador e um dos pilares da economia local. Estudos científicos culpam o crescimento da indústria pesqueira, e não as focas, pelo desequilíbrio ecológico da região. Os 60 milhões de reais movimentados pelo massacre desses animais são uma quantia irrelevante na economia canadense, uma das maiores do mundo. Além disso, a temporada de caça é sazonal e beneficia pouco mais de 10.000 pessoas. Cada pele de bebê foca é vendida pelo equivalente a 100 reais. Nesta época do ano, início da primavera no Hemisfério Norte, ocorre a troca de pelagem dos filhotes. A parte mais valiosa do animal é justamente a lanugem, pele grossa e felpuda dessa fase da infância. Os caçadores também lucram com outras partes do corpo. Do óleo da foca são produzidas cápsulas para combater a artrite. Os órgãos sexuais são enviados a compradores asiáticos, que lhes atribuem poderes afrodisíacos.



Filhote de foca: eles são mortos com menos de três meses de vida por causa da pelagem da infância

Há vinte anos, a matança indiscriminada da foca canadense chegou a colocar a espécie sob risco de extinção. Na época, fotos do massacre chocaram o mundo. Pressionadas pela mobilização de ambientalistas e pelo boicote à comercialização de peles, que recebeu a adesão dos Estados Unidos e da União Européia, as autoridades canadenses decidiram reduzir a cota de abate anual para 15.000 animais. Protegidas, as focas começaram a se multiplicar. A retomada da venda de peles no mercado internacional, sobretudo com as compras feitas pela Rússia e pela Polônia, e a pressão do lobby pesqueiro levaram o governo canadense a rever de forma gradativa as cotas anuais de abate. Só neste ano, 100.000 focas a mais foram mortas com chancela oficial. O massacre terminou um dia antes do prazo, quando a cota máxima foi atingida. A maioria dos caçadores ignorou a exigência do governo de só abater os filhotes a tiros, para evitar o sofrimento do animal. No fim, as focas acabaram entregues à própria sorte.
Fontes:
http://veja.abril.com.br/210404/p_060.html

http://www.petmg.com.br/