Achatina fulica praga agrícola e ameaça à saúde pública no Brasil



Segundo Celso do Lago Paiva o caramujo-gigante-africano Achatina fulica, grande molusco terrestre nativo no leste-nordeste da África, foi introduzido no Brasil como sucedâneo do “escargot” (Helix spp.).
Os animais dessa espécie se alastraram por quase todo o Brasil, estabelecendo populações em vida livre e se tornando séria praga agrícola, especialmente no litoral. Atacam e destroem plantações, com danos maiores em plantas de subsistência de pequenos agricultores (mandioca e feijão) e plantas comerciais da pequena agricultura (mandioca, batata-doce, carás, feijão, amendoim, abóbora, mamão, tomate, verduras diversas e rami).
Achatina fulica pode hospedar ainda o verme Angiostrongylus costaricensis, causador da angiostrongilíase abdominal, doença grave com centenas de casos já reportados no Brasil. Esta doença pode resultar em óbito por perfuração intestinal, peritonite e hemorragia abdominal.
O descaso dos governos municipais, estaduais e federal pela situação e o incentivo desses governos à criação do molusco contribuem ativamente para o agravamento da invasão, dos danos agrícolas e da possibilidade da angiostrongilíase abdominal se tornar endemia rural e urbana. Os governos atuam, assim, contra os interesses da população.

Achatina fulica é espécie de molusco terrestre tropical, nativa no leste-nordeste da África (Simone, 1999)conhecida como caramujo-gigante-africano.
Adultos dessa espécie atingem 15 cm de comprimento de concha e mais de 200 gramas de peso total. No Sudeste do Brasil (São Paulo) os valores máximos são ao redor de 10 cm e 100 gramas.
Trata-se de espécie:
– parcialmente arborícola (pode se alimentar sobre árvores e escalar edificações e muros);
– extremamente prolífica (produz muitos ovos por ano: 50 a 400 ovos por postura e cerca de 500 ovos por ano, segundo a D.ra Norma Campos Salgado);
– ativa no inverno (em regiões de inverno úmido e pouco frio);
– herbívora generalista (polífaga, ou seja, come folhas, flores e frutos de muitas espécies);
– resistente à seca;
– resistente ao frio hibernal;
– canibal (devora ovos e caramujos jovens da mesma espécie), aparentemente para sobreviver temporariamente em ambientes pobres em cálcio (necessário para a concha: animais parcialmente calcífilos);
– sobrevivente em muitos meios naturais e antrópicos (florestas e capoeiras, bordas de florestas, caatingas, brejos e outras áreas de vegetação nativa, áreas de cultura – especialmente hortas e pomares, plantações abandonadas, terrenos baldios urbanos, quintais e jardins).
Ovos depositados por Achatina no inverno de 1999 em laboratório, Campinas SP (5-6 mm de comprimento por 4-5 mm de largura)

Praga agrícola

Nos inúmeros países em que foi introduzida pelo homem, Achatina fulica tornou-se praga de culturas, ou foi constatada se alimentando de folhas, flores, frutos ou casca caulinar de muitas espécies de plantas.
Os pequenos agricultores já são geralmente não-cooperados, e sistematicamente desprezados pelos governos municipais, estaduais e federal em suas necessidades logísticas, agrícolas, educacionais e sanitárias; agora assistem em várias regiões do país à invasão de suas culturas por mais esta praga, de populações e danos crescentes.
Isso poderá contribuir para acentuar sua marcada precariedade econômica e a miséria do campo.
As conseqüência de todas essas pressões sobre os pequenos produtores rurais são a crescente concentração da terra (formação de latifúndios), o êxodo para cidades já hipertrofiadas, a redução na oferta de alimentos, a importação de alimentos o aumento dos preços dos alimentos.

Introdução no Brasil

Produtores brasileiros de “escargots” (caracóis europeus do gênero Helix) importaram Achatina fulica para criação como sucedâneo dessas espécies, sem nenhuma preocupação com os possíveis danos à agricultura, às florestas e à saúde pública que caramujos escapados de suas criações pudessem causar.
Achatina fulica tem sido também impensadamente criada como isca para pesca em pesqueiros comerciais (“pesque-pagues”), ao longo dos cursos-d’água.

Importante

Indivíduos de Achatina tem escapado desses criadouros para a vida livre em diversos Estados brasileiros, e muitas vezes soltos por criadores que desistiram da criação (ao verificar o insucesso comercial da iniciativa).

Importante

Caminho inverso realizam alguns criadores que coletam indivíduos ferais (asselvajados, em vida livre) de Achatina para levá-los aos criadouros experimentais e comerciais.

Importante

Uma vez estabelecidos em dada região, os caramujos são dispersos involuntariamente por veículos (especialmente trens e caminhões) e em meio à carga.
Deve-se lembrar que em muitos países os próprios “escargots” (Helix spp.) tiveram a criação e importação proibida pela possibilidade de se tornarem importante praga agrícola, especialmente em hortas (Canadá e Estados Unidos, por exemplo).
Nas regiões sub-tropicais do Brasil (Estados do sul) o “escargot” Helix aspersa já é praga de hortas, sendo a intensidade de ataque maior nos últimos anos.
Criadores do falso “escargot” (Achatina fulica) alegam que a produção atende a interesse social, por ser nova opção de fonte de proteínas para a população. A alegação é, além de falsa, tendenciosa:
1. a fonte de alimento é restrita, pois a densidade de criação é muito baixa por unidade de área, se comparada a alimentos protéicos vegetais (feijão, amendoim, soja, folha de mandioca, sementes de babaçu e de macaúba e outros);
2. os custos de produção são grandes (muito maiores que o da carne de frango, de bovinos e de peixes), gerando produto de valor elevado, acessível apenas para consumidores que podem comprar produtos finos, como “escargot” (Helix), ostra, mariscos, salmão, atum, camarão-da-malásia, faisão, codorna, bobby-white, javali, coelho, capivara, jacaré e outras iguarias; a carne de acatina será sempre artigo de luxo, disponível apenas para a elite econômica.

Achatina e saúde pública

O encontro de A. fulica em vida livre no Brasil também é importante por se tratar de espécie envolvida na transmissão do verme Angiostrongylus cantonensis (= Parastrongylus cantonensis, nematóide ainda não assinalado no Brasil, mas presente em Cuba) causador da angiostrongilíase meningoencefálica humana (ou angiostrongilose meningoencefálica ou meningite eosinofílica) (Teles e Fontes, 1998).
Achatina fulica pode hospedar ainda o verme Angiostrongylus costaricensis, agente da angiostrongilíase abdominal (ou angiostrongilose abdominal), doença grave com centenas de casos já reportados no Brasil. Esta doença pode resultar em óbito por perfuração intestinal, peritonite e hemorragia abdominal.
A infectologista Silvana Carvalho Thiengo (Fundação Oswaldo Cruz) constatou infestação de indivíduos de “escargot” Helix pomatia por Angiostrongylus costaricensis (com. pes., 20 jul. 2001).
A identificação do verme em amostras de tecidos (de necrópsias ou biópsias) é difícil ovos do verme não aparecem nas fezes dos pacientes e a própria zoonose é desconhecida da maioria dos médicos sanitaristas e patologistas. Os sintomas podem ser confundidos com os de outras doenças.

Importante

Fato já verificado algumas vezes é a presença de indivíduos de Achatina em terrários de escolas, tendo sido coletados os exemplares em pelo menos um caso em área de vegetação natural.
A simples manipulação dos caramujos vivos por crianças (como em áreas de favelas peri-urbanas) pode acarretar contaminação, pois os vermes podem ser encontrados no muco corporal dos caramujos (inf. Horácio M. S. Teles, com. pes., mar. 2000).
Ao visitar hortas e pomares pode eventualmente contaminar verduras e frutas, e disseminar doenças das culturas (como comprovado experimentalmente).

Importante

O problema poderá ser intensificado, pois alguns criadores coletam indivíduos em vida livre) de Achatina para levá-los aos criadouros, sem saber se estão contaminados pela verminose.

Importante

Os pequenos agricultores das zonas tropicais do país já são cronicamente assolados por endemias e parasitoses: aftosa, ancilostomíase (“amarelão”) e mais verminoses intestinais, berne, esquistossomose (“barriga-d’água”), febre amarela, febre maculosa, leishmaniose (“úlcera-de-Bauru”), malária, mal-de-chagas, miíase (“bicheira”), pediculose (piolhos), escabiose (sarna) e muitas outras.
Sua situação sanitária é agravada pelo descaso governamental, que inclui a debilidade e dificuldades do ensino rural.
Agora os minifundiários (e funcionários de empresas rurais, peões, meeiros, agregados, castanheiros e mais coletores, seringueiros, indígenas e suas famílias) correm o risco de possíveis endemias de angiostrongiloidíase abdominal.
Esta parasitose é muitas vezes fatal, incurável e de difícil diagnóstico e controle, por ter a Achatina populações asselvajadas em muitos ambientes vizinhos aos assentamentos rurais (áreas agrícolas, retiros, povoações, sedes de sítios).
O fato de que animais domésticos (gado, galinhas, cães) também possam ser hospedeiros de agentes de endemias e nem por isso devam ser eliminados vem sendo utilizado por criadores de Achatina fulica como pretexto para que se tolere sua presença no Brasil sem qualquer controle governamental.
A alegação carece de fundamento, pois todos os animais domésticos podem ser vacinados ou sacrificados, mas as populações de Achatina asselvajadas estão quase totalmente fora do alcance de eventuais ações preventivas.
Caracóis e lesmas agrícolas e ratos domésticos, vetores e hospedeiros de Angiostrongylus, são relativamente fáceis de controlar com o uso de técnicas integradas modernas.
Esse fato assemelha-se à polêmica criada nas décadas de 1970 e 1980, quando as campanhas de erradicação da febre-aftosa no Brasil esbarraram na resistência de muitos criadores de gado bovino à vacinação de seus rebanhos (nem sempre pequenos). Isso fez com que houvesse permanentemente focos da endemias em muitas regiões.
Somente a ameaça da perda de receita pelo governo levou-o à ação enérgica, que agora inexiste com relação à Achatina e ao Angiostrongylus costaricensisis.

Importante

Achatina e febre-amarela/dengue

Segundo Mead (1979:32) foi constatado que na Tanzânia conchas de Achatina fulica mortos, cheias por chuvas, hospedavam pequenas populações de Aedes aegypti, mosquito vetor da febre-amarela (e da dengue e dengue-hemorrágica, no Brasil), e de outras espécies de mosquitos.
O fato foi confirmado pelo compilador desta página, tendo obtido larvas de Aedes sp. em conchas de Achatina mantidas cheias de água limpa (Campinas, São Paulo, área urbana, jan.-abr. 2001; dados em coleta) sob controle em laboratório.
Constatou-se nesse período média de 0,22 larvas de Aedes sp. por concha em cada lote analisado; a média foi de até 0,5 em fevereiro e 0,12 em abril.
Considerando-se que:
1.acatinas morrem frequentemente com a abertura voltada para cima;
2. nas regiões brasileiras onde a Achatina já se encontra em altas densidades ocorre tanto a dengue (endêmica – sempre negada – ou esporádica) quanto seus vetores Aedes aegypti e Aedes albopictus;
3. essas regiões possuem estações com chuvas fortes e contínuas (planaltos do interior) ou regime de chuvas mais ou menos contínuo (litoral, Amazônia);
torna-se viável a predição de que o fato possa ter em breve importância epidemiológica significativa, de controle problemático.

Impacto sobre ambientes naturais

Tentativas ulteriores de controle químico e biológico e a proliferação de eventuais inimigos naturais introduzidos poderão levar à depressão de populações de caramujos nativos, como os Megalobulimus spp. (aruás) e Orthalicus spp. (caramujos-do-café), de baixa densidade ecológica, crescimento lento, reduzida fecundidade e hábitos alimentares especializados.
Sobre tentativas fracassadas de controle biológico de Achatina fulica, desastrosas para populações de moluscos nativos, leia-se Gould, 1993 e IUCN, s. d.
A D.ra Sonia Barbosa dos Santos (UERJ) confirmou que indivíduos de Megalobulimus cf. oblongus mantidos nas mesmas gaiolas que Achatina fulica, em laboratório, entraram em letargia, interromperam qualquer atividade e morreram em 15 dias. Essa interação pode se repetir em ambientes naturais, quando o molusco invasor atingir densidades altas ou, mesmo em densidades menores, se existir fator químico (alelopatia) envolvido.
Esse efeito, se confirmado em áreas naturais, pode levar à depressão de populações de espécies de Megalobulimus e de outras espécies nativas de moluscos, algumas delas, endêmicas e raras, antes mesmo de serem conhecidas pela Ciência.

Importante

Em laboratório constatou-se consumo de folhas e frutos de diversas espécies de plantas nativas do sudeste brasileiro (acantáceas, arecáceas, cactáceas, piperáceas, zingiberáceas) por indivíduos de Achatina fulica, prevendo-se o estabelecimento de populações desse molusco em áreas naturais, especialmente em bordas de florestas.
O impacto da espécie sobre nossas florestas implantadas e naturais e outros biomas (cerrados, caatinga, manguezais, restingas, capoeiras, catanduvas, campos, brejos, Pantanal, etc.) é imprevisível.

Para sanear a região, algumas regras devem ser obedecidas na Captura do Achatina fulica :

1) Somente adultos treinados devem recolher os caracóis.

Crianças e Adolescentes não devem participar das ações diretas do recolhimento do caramujo Achatina fulica.

2) O recolhimento sempre deve ser feito por pessoas treinadas ou em mutirão com os vizinhos, pelo menos da mesma quadra de quarteirão. O risco de re-infestação é alto e com certeza os caramujos retornarão ao seu quintal.

3) Recolher os caracóis sempre utilizando luvas descartáveis, sacos plásticos, na falta usar uma pá. Não ter o contato da pele diretamente com o caracol.

4) Os caracóis recolhidos devem ser incinerados, para isso utilizar uma vala, um tambor ou ainda uma fogueira cercada por tijolos ou blocos. Para grandes quantidades utilizar o carro incinerado da Prefeitura Municipal.

Extermínios não eficazes:


- A utilização do sal não é recomendado, o sal serve somente para salinizar o solo.

- Também não é recomendado o afogamento em balde com água e sal.

5) Os restos resultantes devem ser incinerado (queimados), enterrados, distante dos mananciais e poços de água. Jogar no lixo não é uma prática recomendável.

6) Não deixe pneus, latas, entulhos, plásticos, tijolos e telhas, madeiras, lixos em geral espalhados no quintal. Isso favorece a proliferação de Achatina fulica, e de outras pragas nocivas à saúde, como: ratos , baratas , escorpiões , aranhas , moscas , mosquitos como o Aedes aegypti (vetor da dengue).

7) Os caracóis nativos devem ser preservados.

OBS .: Não deixe crianças fazerem a captura, pois isto pode trazer problemas a saúde das mesmas.

Fonte consultada: http://www.geocities.com/lagopaiva/achat_tr.htm#resini