Águas-vivas, PERIGO!!!!


Elas não têm cérebro, coração, nem pulmões ou ossos. Pertencem ao grupo dos Cnidários(celenterados). Parecem mais um punhado de gelatina, com longos cordões pendurados. As medusas são conhecidas no mundo inteiro, com os mais diversos apelidos (águas-vivas, água-má, chora-vinagre ou mãe-d'água). Os biólogos já catalogaram cerca de 9.000 espécies, desde as mais simples, chamadas hidromedusas, até as cifomedusas, bem maiores e um pouco mais complexas. O tamanho pode variar de alguns centímetros a mais de 2 metros de diâmetro, com tentáculos de até 30 metros de comprimento. Elas devem ser as campeãs de adaptação e resistência. Povoam os mares com o mesmo formato e metabolismo de seus ancestrais, surgidos no período Cambriano, há cerca de 700 milhões de anos.

Todas as águas-vivas são capazes de infligir algum dano ao homem, porém apenas algumas espécies são realmente perigosas e podem provocar lesões muito dolorosas e sérias. Em nosso litoral são muito comuns as espécies capazes de provocar pequenas lesões e dermatites dolorosas. As mais perigosas, pouco comuns, podem infligir desde as lesões moderadas (dor pulsátil ou latejante, porém raramente causando inconsciência) às lesões severas (dor intensa que pode levar à perda da consciência e ao afogamento). Os acidentes com as espécies muito perigosas, denominadas vulgarmente de vespas-do-mar, e que podem provocar, além de erupções lacerantes e dor lancinante, falência circulatória e paralisia respiratória, mas, são mais raros em nossa costa.Os mecanismos responsáveis por estas queimaduras são os Cnidocistos: células especializadas, característica única de todos cnidários, que contêm organelas capazes de eversão conhecidas como cnidos ( os mais comuns são os nematocistos ) . O mecanismo de descarga envolve uma rápida alteração da pressão osmótica dentro da cápsula. Os nematocistos funcionam na captura de presas e muitos podem injetar toxinas. As diferentes espécies de cnidários possuem de um a sete tipos de nematocistos, com o número e os tipos dependendo da presa . Os cnidos são utilizados uma única vez, novos cnidocistos são formados a partir das células intersticiais vizinhas. Os nematocistos descarregados são substituídos dentro de 48 hs .

Epidemiologia
Existem duas classes implicadas em acidentes importantes na costa brasileira:
1. as caravelas (Hidrozoa), especificamente a Physalia
physalis
, colônias de pólipos dotadas de um corpo pneumático de cor púrpura ligado a longos tentáculos. Durante os meses quentes surgem em grande número em algumas praias, sendo as principais responsáveis por acidentes por celenterados no país. Outro fator que predispõe o contato com caravelas é a tendência desses animais de permanecerem na superfície apenas em horas de sol menos intenso (manhã, final de tarde e à noite).
2. Algumas águas-vivas (Scyphozoa) podem provocar acidentes graves, um exemplo é a, encontrada em mar aberto
Chiropsalmus quadrumanus. A espécie Chironex fleckeri, do Oceano Índico, pode levar à morte em minutos, com óbitos em cerca de 10% de acidentes.1 Existe semelhança entre as duas espécies, mas a magnitude do acidente por Chiropsalmus não é conhecida
Primeiros socorros
Em caso de queimadura por contato com águas-vivas, aconselha-se lavar o ferimento com água salgada para retirar o excesso de nematocistos que ainda estiverem aderidos à pele. Molhar o local com vinagre também pode ajudar, sua ação ajuda a desnaturar a toxina. A vítima deve ser levada ao hospital para receber medicação.

Prevenção

Não há uma regra específica, apenas sabe-se que os "ataques" ocorrem mais em águas calmas e quentes (90%) e no período da tarde (69%) e atingem mais as pernas (77%), que o uso de óleos minerais podem impedir a fixação dos tentáculos e, que as roupas de neoprene dos surfistas e mergulhadores impedem a fixação dos nematocistos. Fora isso a regra é: ao menor contato, avise os demais banhistas e saia da água !


Fontes consultadas:
http://www.geocities.com/CapeCanaveral/7754/gelatinas.htm http://www.institutoaqualung.com.br/info_seres_perigosos05.html